PCdoB na TV: Todos às ruas para defender a democracia

“Todos às ruas para defender a democracia e contra o golpe”. Esse é o mote da propaganda do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) que foi exibido em rede nacional de televisão nesta quinta-feira(28) nas emissoras de todo o Brasil. Os comunistas denunciam no programa a farsa do impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff e destacam que o golpe põe fim a uma das maiores conquistas dos brasileiros nos últimos tempos: a democracia.

A propaganda do PCdoB é de responsabilidade do Comitê Central, coordenada pelo Secretaria Nacional de Comunicação, sob a produção de Eliz Brandão. A criação e direçãosão do publicitário Marcelo Brandão.

Reprodução do sítio eletrônico: vermelho.org.br  

FORMADOR DA UJS PEDE AO JUIZ QUE FAÇA LEITURA DE LIVRO DE HISTÓRIA

Em evento destinado ao debate com pré-candidatos a vereadores, em Teixeira de Freitas – BA, no Auditório da APLB – Sindicato dos Professores – 06 de abril, o Historiador e Pedagogo, militante da UJS e um dos diretores da APLB, Coordenador da Escola Municipal Gessé Inácio do Nascimento, André Almeida, não se acovardou diante das falas do juiz Roney Jorge Cunha Moreira, da 183ª vara eleitoral.

O Juiz Dr Roney, passou maus bocados por conta de incoerência de suas falas. Primeiro, a excelência declarou que “lutou contra a Ditadura” Militar no Brasil (1964-1985), mas em seguida complementou que “defende a OSPB – Organização Social e Política Brasileira”. Para o educador André Almeida, existe incoerência para dizer o minimo, pois quem defende a OSPB não lutou contra a Ditadura – conforme defendeu o juiz – mas era a favor de tal projeto.

Não foram poucas as bizarrices do senhor juiz. Durante sua exposição ele defendeu que família era a “monogâmica” e que é “a favor da redução da maioridade penal”. Quando falou dos partidos deu a entender que todos são iguais. Defendeu que “em Portugal o atual presidente foi eleito sem ser de partido. Foi uma candidatura individual”. E que ele “não tinha problema de mudar de ideia”.

Foi diante desse circo dos horrores que o educador André Almeida, pediu a palavra segurando sobre suas mãos o livro Brasil Nunca Mais. Obra que faz denuncia dos crimes de Tortura cometidos pelo Estado ditatorial no Brasil. Ele começou destacando que todos falam de “um lugar” e que era preciso saber de que local cada um dos presentes estavam falando.

O professor de História, defendeu que “existem projetos que  estão a favor do trabalhador e projetos que estão contra o trabalhador. Que existe projeto que avançou com classe trabalhadora e existe projeto que só foi contra a classe trabalhadora”.

O educador destacou que a palavra “partido quer dizer tomar parte” e que os pré-candidatos “tem posições” e que precisa deixar claro quais são as suas posições, caso contrário “tudo parece a mesma coisa”. O ponto alto do debate foi quando o dirigente da APLB, do Município de Teixeira pediu ao juiz que fizesse uso do livro de História, pois quem apoia a “OSPB” estava a favor da Ditadura e não o contrário.

Veja vídeo abaixo:

AS FALCATRUAS DA FAMÍLIA PINTO – MEMÓRIA (EM VÍDEO)

A última matéria publicada pelo nosso blog(CORRIDA ELEITORAL EM TEIXEIRA DE FREITAS – 3ª PARTE) foi alvo de alguns e-mail’s questionando a veracidade dela. Como temos total ciência e responsabilidade sobre as informações veiculadas em nossa página, vamos expor nossas fontes para de uma vez por todas desmascarar essa família, que está mais para covil.

O vídeo postado abaixo é mais esclarecedor que quaisquer provas, não deixe de assistir e tire suas próprias conclusões.

 

CORRIDA ELEITORAL EM TEIXEIRA DE FREITAS (3ªparte)

Lucas Bocão

                                 Lucas Bocão

Chegou a vez de falar do quase eterno pré-candidato, o que nunca se candidatava. Foi pré-candidato em 2010 a deputado, pré-candidato a prefeito em 2012 e só se candidatou pra valer em 2014 a deputado estadual, sendo o terceiro que mais obteve votos em Teixeira. Estamos falando do radialista da Rede Sul Bahia de Comunicação, Lucas Bocão. Não falamos o partido, porque o partido dele é a rádio.

Lucas Bocão não tem experiência administrativa e nem realizações a mostrar, é um mero “falador” da desgraça alheia, seu programa de rádio é uma caricatura mal desenhada de programas estaduais e nacionais, nem criatividade para inventar um pseudônimo possui, alias ele surgiu no rádio usando o nome “Ulbiratan”, para de forma subliminar evidenciar o nome do candidato da família Pinto(grupo político do qual faz parte), em 2006. Getúlio Ubiratan ganhou as eleições daquele ano, traiu os “Pinto” e não se reelegeu.

Muito provavelmente a candidatura a prefeito de Bocão ficará no plano virtual, posto que ele é só um “cavalo” no tabuleiro do xadrez político da família Pinto. Na realidade, o máximo de Lucas Bocão nestas eleições é ser vice em uma chapa forte, não dá para precisar ainda qual. Os “Pinto” após se sentirem usados por Getúlio Ubiratan não vão se arriscar a colocar outro que pode trai-lós. O “príncipe das trevas” deles é deputado federal, no mais, eles querem é fazer do “imperador” da família, secretário de saúde ou educação em Teixeira, estamos nos referindo a Uldurico Jr. e ao pai, respectivamente.

Além de ser meramente uma figura decorativa dos “Pinto”, se chegar ao poder Lucas Bocão não tem nada de garantias, se seguir o caminho dos donos da rádio, será o governo da corrupção escancarada. Ele não demonstra conhecer nada em profundidade, são sempre abordagens superficiais contra os adversários. Contra a família “Pinto”, notórios corruptos, nunca falou uma virgula. Também pudera, não dá pra cobrar consciência de onde se ganha o pão.

Em suma, Lucas Bocão têm poucas probabilidades de ser o cabeça de chapa, ele é só um degrau no jogo dos “Pinto”, pois sem o microfone da rádio Bocão não é mais que um desempregado. Se for eleito, ao invés de ser funcionário do povo, será um lacaio dos atuais patrões.

 

 

 

 

O CAMPUS X DA UNEB SE MANIFESTA CONTRA O GOLPE

UNEB

UNEB

Professores, técnicos e estudantes do Campos X da UNEB, juntam-se ao grito: “não vai ter golpe”. Em carta publicada a baixo na integra a comunidade acadêmica expõe os motivos pelos quais denunciam a tentativa de golpe contra a Presidenta Dilma.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO – CAMPUS X – TEIXEIRA DE FREITAS EM DEFESA DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO – Abril/2016 Nós, docentes, discentes e técnicos-administrativo do Departamento de Educação/Campus X/ UNEB, abaixo-assinados, manifestamos através desta Carta Pública nosso posicionamento diante do atual contexto político e social em que vive o país. O reconhecimento da democracia brasileira, nesse momento histórico, encontra-se novamente em perigo. No Brasil, a maioria da sua população sofre com a desigualdade social e modelos educacionais cujos processos não favorecem um olhar crítico sobre as mazelas sociais. A essa realidade soma-se o fato de que, uma minoria privilegiada, detentora dos meios de produção do discurso, caracterizada pela elite brasileira tenta confundir essa população, mostrando os casos de corrupção investigados como algo inédito a na história do país. Além disso, é apresentada à população a ideia de que temos um judiciário imparcial e principalmente, que a crise econômica é apenas brasileira, ignorando o fato de que o contexto sociopolítico e econômico do país tem uma relação direta com os mecanismos de sustentação do capitalismo mundial. Compreendemos que o país se encontra assolado por crimes de corrupção, nada novo, em diferentes esferas da sociedade e que precisam urgentemente serem combatidos, mas se respeitando os princípios democráticos do Estado de Direito. O que se observa, no momento, é uma acirrada disputa política e ideológica pelo controle político do Estado. O atual sistema de investigação, denominado Lava Jato, vem atuando de forma arbitrária e muito perigosa para o país, fermentando uma convulsão social descontrolada, na forma como vem sendo conduzida por um magistrado midiático. Ações dessa natureza desrespeita a Carta Magna do país, haja vista que as investigações e os vazamentos seletivos só atingem visivelmente o governo atual e o partido dos trabalhadores – PT, uma vez que os demais são apenas citados, não havendo mostras de que estejam sendo investigados. PRIMAMOS PELO RESPEITO À CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA DE 1988 E AO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO. Os assinantes deste documento vêm a público registrar a máxima indignação diante dos ataques de negação ao Estado de Direito e o nosso repúdio às ações de desvirtuamento de função que os poderes: Legislativo, Judiciário e Executivo vêm imprimindo na atual conjuntura política do nosso país. NÃO VAI TER GOLPE! Assinam: Docentes: Joelson Pereira de Souza, Gislaine Romana Carvalho da Silva, Liliane Maria Fernandes Cordeiro Gomes, Cleideni Alves do Nascimento, Maria Nalva Rodrigues de Araújo Bogo, Elzicléia Tavares dos Santos, Josinéa Amparo Rocha Cristal, Uerisleda Alencar Moreira, Maria Mavanier Assis Siquara, Maria Jucilene Lima Ferreira, Cristiane Gomes Ferreira, Minervina Joseli Espíndola Reis, Décio Bessa da Costa, Luzeni Ferraz de Oliveira Carvalho, Liana Pontes Sodré, Ana Odália V. Sena, Ivo Fernandes Gomes, Cecilia Maria Mourão Carvalho, Ireni Alves dos Santos, Maria Geovanda Batista. Técnicos: Lucas Aguiar Bezerra, Vanuza Grigoletto Crespo, Euselia de Oliveira Guimarães Reis. Discentes: Emanuel Bitencourt Araújo, Brenda dos Santos Silva, Anderson Pereira de Almeida, Micaele Aragão Silva, Taliane dos Santos, Dinaldo Barbosa da Silva.

PROJETO FRICÇÕES REALIZA DEBATE SOBRE BOURDIEU

O Campo é um espaço relativamente autônomo. Um espaço de luta, com regras próprias em que os envolvidos jogam um jogo e respeitam essas mesmas regras conforme defendeu o Sociólogo francês Pierre Bourdieu. Foi em torno do Conceito de Campo Acadêmico desse autor que foi realizado nesse sábado (17/04) na APLB – Sindicato dos Professores – a primeira edição do Projeto de Extensão Universitária Fricções – Humanidades e Linguagens em diálogo. “O projeto tem como objetivo fomentar o debate e a leitura dos clássicos entre os acadêmicos da UFSB e do público em geral” descreveu Pablo.

O evento

O evento

O evento que inicio as 14:00hs teve como mediador o estudante Pablo Frantêscouly (UFSB), e terminou apenas no final da tarde com debates acalorados sobre a temática. Para o evento estavam presente também o professor André Almeida dirigente da APLB de Teixeira de Freitas, e o professor Dr. Celso Gayoso (UFSB). A primeira exposição teve como tema: “O Campo acadêmico: notas introdutórias sobre a concepção de Campo em Pierre Bourdieu”.  A segunda palestra, elucidou a “A noção de Campo para Pierre Bourdieu”. Depois das explanações foi aberto ao debate. Também estavam presentes as Drª. Milena Magalhães (UFSB) e a Drª. Lilian Reichert Coelho (UFSB). Sendo Coelho e Magalhães as idealizadoras e Coordenadoras do evento. Além de contar com a presença de estudantes da UFSB.

As principais categorias tratadas por ambos foram: A noção de Campo e Campo Acadêmico, o Campo da Arte, a noção de Campo como espaço de Jogo e Luta, as Regras do Campo, o conceito de Capital Cultural para Bourdieu, Dominantes, Dominados e pretendentes a dominados dentro do Campo. A noção de Heresia, Ilusio, e Habitus na obra de Pierre Bourdieu. Os palestrantes também indicaram obras e leituras do Sociólogo francês para aqueles que querem iniciar seus estudos.

Além disso, os palestrantes citaram a importância da obra de Bourdieu para todos que pretendem compreender o Campo Acadêmico e como jogar esse jogo e participar das disputas internas. Destacaram a importância do respeito as Regras do Campo. Dentre elas a de não plagiar. Além de demonstrar que existem Regras informais dentro do Campo que devem ser obedecidas. Entre elas a importância de conhecer as obras daqueles que são dominantes dentro do Campo que almeja entrar.

O evento foi gratuito e contou com a participação de diferentes seguimentos. Após a exposição foi aberto ao debate. Os estudantes fizeram perguntas e os palestrantes responderam. Antes do termino os am destacaram a importância de compreender que Booudieu sendo um autor clássico, ou seja, que sua obra atravessa o tempo, é preciso não fazer uma leitura única e acabada de sua obra. Tal fala dos palestrantes teve como objetivo, fomentar a leitura das obras de Bourdieu pelo publico que estava presente.

DOSSIÊ:

Dilma: “A palavra golpe estará sempre marcada na testa dos traidores”

Presidenta Dilma

Presidenta Dilma

A presidente Dilma Rousseff (PT) gravou um vídeo nessa sexta-feira (15), para esclarecer a nação do Golpe que seu governo e o povo brasileiro vem sofrendo em seu segundo mandato. O mais interessante é que o vídeo foi vetado, tanto na televisão quanto nas rádios. O que demonstra o clima de censura por parte da grande mídia que vem sofrendo seu governo. Mesmo assim, o pronunciamento tem sido divulgado de forma ampla pelos internautas.

O vídeo conta com seis minutos. Nele a presidente demonstra de forma lucida o que ela classificou como “aventura golpista”. “É preciso lembra que ao longo da História do Brasil a elite brasileira sempre usou de golpes para  manter-se no poder. Basta lembrar que a Proclamação da República foi um Golpe. A implantação do Estado Novo Getulista, foi outro Golpe. Assim como a Ditadura Militar”, comentou o Pedagogo e Historiador André Almeida.

Dilma defendeu que “os golpistas já disseram que, se conseguirem usurpar o poder, querem revogar direitos e cortar programas sociais como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida. Ameaçam, até, a educação”.

Dilma também tratou de demonstrar que não é apenas o seu governo que ela esta defendendo, mas a democracia brasileira. Para Pablo Frantêscouly estudante da UFSB (…), “a tentativa de dar golpes no Brasil já é uma marca da burguesia brasileira. Apenas para falar da História recente, Floriano chegou ao poder por golpe. Vargas chegou por golpe. Da mesma forma foi tirado por um golpe que levou o mesmo ao suicídio. Jânio renuncio em características que até hoje são obscuras. E seu sucessor Jango foi tirado do poder por golpe” completou.

Para Dilma, “no próximo domingo, teremos a oportunidade de reafirmar nosso compromisso com a democracia, à liberdade e o estado de direito. O que está em jogo não é apenas o meu mandato. É o respeito à vontade soberana do povo brasileiro, o respeito às urnas. (…) Por isso, é minha obrigação esclarecer os fatos e denunciar os riscos desta aventura golpista para o país”.

“O mais interessante é que não existe citação da presidente em nenhuma lista de corrupção. Diferente do que acontece com Eduardo Cunha (PMDB) e presidente da Câmara e Aécio Neves (PSDB)”. O que a presidente fez foi pegar um empréstimo na Caixa Econômica Federal para pagar programas sociais e poder continuar com eles, mas depois tratou de paga-los. “Como se vê a direta brasileira é a favor da democracia, se a democracia for e estiver a seu favor” defendeu professor André. Sobre isso a presidente se pronunciou da seguinte forma: “Não há contra mim qualquer denúncia de corrupção ou desvio de dinheiro. Jamais impedi investigação contra quem quer que fosse. A denúncia contra mim, em análise no Congresso Nacional não passa de uma fraude, a maior fraude jurídica da história do país.”

A presidente também demonstrou que a prática ou a tentativa de Golpe não é recente. “Desde que fui (re)eleita, parte da oposição, inconformada, pediu a recontagem dos votos, tentou anular as eleições e passou a conspirar pelo impeachment. Mergulharam o país em um estado permanente de instabilidade política, impedindo a recuperação da economia”.

Esse contexto nos faz relembrar o pensador alemão Karl Marx. Ele dizia que o Estado é um Órgão Jurídico – pois tem leis que beneficiam as classes dominantes – e Político, pois existe uma luta em torno do poder. Só que esse pensador defende que o Estado não é “neutro” uma vez que ele protege os interesses das classes dominantes, ou seja, da burguesia. Infelizmente esse mesmo Estado conta com mídia de massa – como a televisão e o rádio – e conta também com a força legitimada – mais conhecida como polícia – nas suas mais diferentes esferas. Diante disso, a presidente termina seu discurso – que foi vetado por esses veículos midiáticos de massa – convocando o povo para que “continue se mobilizando”, não perdendo de vista o próximo domingo (17), dia em que as forças progressistas e a direita conservadora e golpista vota o processo de impeachment na Câmara. Sobre esse ponto a presidente fecha da seguinte forma: “Brasileiras e brasileiros, dirijo-me a vocês para pedir que continuem defendendo a legalidade democrática. Continuem se mobilizando nas escolas, nas ruas, no trabalho e nas redes sociais. (…) Nenhum governo será legítimo se não nascer do voto popular. Fora do voto, qualquer governo será sempre a tirania. A tirania dos mais fortes, dos mãos espertos, dos mais ricos, dos mais corruptos.” A presidente terminou dizendo que “a palavra golpe estará gravada na testa dos traidores da Democracia”

Veja vídeo na integra no post anterior: