Estudante fazem passeata pelo Passe-Livre Estudantil em Teixeira de Freitas

Por Pablo Carvalho

Na manhã desta quarta feira 28 de junho, centenas de estudantes das escolas estaduais e universitários saíram as ruas de Teixeira de Freitas, para protestar pelo não cumprimento da lei do passe-livre estudantil.

Desde o ano de 2013 que os estudantes passaram a contar com o beneficio, na atual gestão, o direito foi cancelado e o poder executivo não informa a população o que está acontecendo.

Ao sair em passeata os estudantes gritavam: “Não tem arrego você tira o passe-livre, e eu tiro seu sossego!” e também “Boi, boi, boi, boi da cara preta se não tem passe livre agente pula a roleta!”, entre outras palavras de ordem.

Antes de terminar o movimento de hoje os estudantes decidiram que na próxima semana vai ter mais.

Mais informações clik aqui

Carina, da UNE: a luta continua em 2017!

2200edf5-b465-4ed1-b617-0278e1ad536b

O Conversa Afiada publica coluna de Carina Vitral, presidenta da UNE:

O ano de 2016, na história do Brasil, começou com 30 dias de antecedência. Em dois de dezembro de 2015, o então presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha aceitou um pedido de impeachment contra a presidenta eleita da República, Dilma Rousseff, mesmo sem a existência de um crime de responsabilidade sobre ela, com o objetivo de auxiliar os perdedores inconformados das últimas eleições e tentar desviar o foco das denúncias de corrupção que recaíam sobre ele e sobre boa parte do Congresso. Era o prenúncio das dificuldades que viriam nos próximos meses.

O golpe de 2016, porém, encontrou dura resistência dos movimentos sociais e em especial da juventude, que marcaram sua posição nas ruas lutando ao lado da democracia. Desde o mês de março, as enormes manifestações da Frente Brasil Popular e da Frente Povo Sem Medo, ambas coalizões com forte participação da UNE e dos estudantes, minaram a falsa narrativa golpista de que o impeachment teria apoio irrestrito da sociedade. Apesar do boicote da chamada grande imprensa, os atos em defesa da legalidade e pela permanência de Dilma foram um marco na história das mobilizações populares do país.

Dentro das universidades, foram montadas centenas de comitês universitários pela democracia, envolvendo alunos, professores e comunidade acadêmica. No dia 17 de abril, data de votação do impeachment na Câmara, os estudantes integraram a grande passeata dos movimentos sociais em Brasília. Já no dia 29, realizaram paralisações em 100 universidades de 18 estados. Após a montagem do governo ilegítimo de Michel Temer, a juventude denunciou o desmanche na área da educação e as relações do ministro Mendonça Filho com os grandes grupos financeiros do mercado privado educacional. Os jovens também estiveram ao lado de artistas e produtores na linha de frente das ocupações do setor cultural, que conseguiram barrar a extinção do Ministério da Cultura.

A principal característica do projeto político que foi instaurado no Brasil neste ano é a pressa para impor uma agenda de redução de direitos que não seria aprovada pelas urnas. Nesse sentido, nenhuma outra medida recebeu tanta oposição da sociedade como a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 55 que congela por 20 anos os investimentos sociais do país, incluindo áreas como a educação, a saúde e a assistência social. As conseqüências são graves para o ensino público e representam, por exemplo, o sepultamento do Plano Nacional de Educação (PNE) aprovado em 2014 e que ditou as bases para o desenvolvimento do setor.

Contra a PEC, estudantes se mobilizaram de norte a sul e foram a Brasília em uma grande marcha no dia 29 de novembro. Apesar da maioria da população brasileira ser contrária à medida, a resposta do governo Temer às críticas foi a saraivada de bombas, balas de borracha e cacetadas da cavalaria da Polícia Militar. Ainda assim, os protestos continuaram por todo o país. Entre as diferentes formas de mobilização, nenhuma foi tão grande e teve tanto alcance quanto às ocupações estudantis, que começaram no movimento secundarista – também em oposição à medida provisória que deforma o ensino médio – e alcançaram mais de mil escolas, passando em seguida para as universidades. Com as ocupações, os estudantes tomaram a frente no protagonismo de luta contra o golpe.

Ao recapitular o que aconteceu neste ano tão dramático para o país, resta a constatação de que, se a ofensiva golpista foi forte, a resistência dos movimentos sociais também foi. A juventude está alerta, descobrindo novas formas de organização, avaliando o quadro nacional neste momento – que conta com a grande instabilidade do governo Temer e a possibilidade de eleições diretas – planejando a agenda de mobilizações 2017. É neste clima que convidamos todas e todos para a Bienal da UNE, na cidade de Fortaleza, a partir do dia 29 de janeiro, quando reuniremos estudantes, artistas, políticos, intelectuais de todo o Brasil e do exterior para refletir sobre os nossos objetivos. O tema do encontro, neste momento, não poderia ser mais adequado, “Feira da Reinvenção”.

Lembraremos de 2016 como o ano no qual não dormimos, no qual fomos alvejados, bombardeados, no qual tivemos nossos direitos ameaçados, fomos trapaceados, furtados. Lembraremos de 2016 como o ano em que botamos à prova as nossas forças, que precisamos unir as mãos e defender a nossa democracia, em que conhecemos o olho do furacão. Lembraremos da nossa capacidade de dar a volta por cima em um momento crítico e ampliar as nossas trincheiras.  Lembraremos de tudo que fomos capazes neste ano, para saber do que ainda podemos ser. A nossa luta não acabou. Não vamos parar.

Minirreforma trabalhista vai permitir jornada de 12 horas diárias

alx_dilma-temer-20151124-0005_originalA proposta de Medida Provisória – MP apresentada pelo governo Temer pode elevar a jornada de trabalho diário até 12 horas, além de acabar com a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT.

Essa minirreforma trabalhista vai retirar direitos que levaram 70 anos para se consolidar, as férias por exemplo vai poder ser dividida em 3 vezes.

Para o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – Dieese, o Brasil está indo na contramão de suas necessidades. “O que precisamos é de um conjunto de iniciativas que mobilizasse investimentos e retomasse o consumo interno, um Estado assumindo papel de indutor da economia. Porém, no lugar, Temer oferece um receituário que não dará conta dos desafios do país”, defendeu o Departamento.

As centrais sindicais mandam avisar: vai ter luta!

Pequisa confirma: Se empurrar o Temer cai!

desemprego-1A pequisa da Vox Populi / CUT realizada entre os dias 10 e 14 de dezembro não deixa duvidas a maioria do povo brasileiro e contra o governo Temer.

Para apenas 12% dos entrevistados o desemprego vai continuar no mesmo patamar, 87% é contra a reforma da previdência.

Na avaliação do presidente, 55% declarou que Temer é péssimo.

Se empurrar o Temer cai!